• Redação

Brasil x Estados Unidos


Assim como muitos americanos, a historiadora Brodwyn Fischer não chegou a aprender muito sobre o Brasil quando estava na escola. O primeiro contato mais profundo veio no início da faculdade, 30 anos atrás e, desde então, ela não parou mais de pesquisar sobre a história brasileira.

São dois países de dimensões continentais, ricos em recursos naturais, formados por populações originárias de três continentes, moldados pelo colonialismo e pela escravidão. No papel, Brasil e EUA são marcados por semelhanças —e, no entanto, tomaram caminhos completamente diferentes.

PARECIDOS, MAS TÃO DIFERENTES

De forma geral, as comparações entre Brasil e Estados Unidos costumam ser permeadas por generalizações e exageros que colocam os dois países em polos opostos que muitas vezes não existem, avalia Fischer.

É o que a historiadora chama de "ideias hiper-reais" —algo que nunca existiu de fato, mas acaba sendo colocado no debate como a essência de um determinado conceito.

Uma dessas "ideias hiper-reais" seria justamente a razão que levou Brasil e EUA a se tornarem nações tão diferentes, apesar das semelhanças estruturais. No Brasil, muita gente reproduz a ideia de que a explicação está centrada no tipo de colonização a que os dois países foram submetidos —a portuguesa, implantada no Brasil, teria sido mais brutal e restritiva, enquanto a inglesa, levada aos EUA, teria dado aos americanos maior grau de liberdade, usado para desenvolver instituições e uma democracia mais sólidas. Uma divergência que teria selado o destino dos dois países.

Em ambos os países, ela diz, a escravidão foi brutal, "algo que, moralmente, não deveria ter sido institucionalizado". O Brasil, contudo, viveu uma situação particular depois de 1831, quando o tráfico de escravizados foi proibido por lei —mas não acabou na prática.

_

Reprodução: BBC Brasil leia mais em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2021/12/por-que-brasil-e-eua-ficaram-tao-diferentes-curso-na-universidade-de-chicago-tenta-explicar.shtml

0 visualização0 comentário